Diferente do que se possa pensar, o ego não surge conosco quando nascemos.  Ele é fruto das relações que temos ao longo de toda a vida, desde a infância. A forma como o nosso ego é construído pode nos causar sofrimentos ou alegrias. Nós não podemos abandonar o ego, mas precisamos nos libertar da influência negativa dele e uma das formas é a busca pelo  autoconhecimento.

Como se forma o nosso ego?

      Uma criança nasce sem nenhum conhecimento sobre ela, em primeiro lugar ela toma consciência do mundo externo. O primeiro contato de uma criança, geralmente, é com os pais. E por meio desta convivência que ela passa a tomar consciência de si. Mas essa é uma consciência refletida, ou seja, ela vai se enxergar pelas lentes daqueles com quem ela convive, vai se perceber da forma como é percebida pelos demais. Por exemplo, se a mãe e o pai são carinhosos, sorridentes, a tratam com carinho, fazem elogios e demonstram amor é assim que a criança vai começar a se ver.  Assim o ego dela começa a nascer, passa a surgir a ideia do “eu”. Da mesma forma que se essa criança estiver cercada de pessoas que não a valorizam, não a tratam bem, o ego dela já começará a surgir de forma doentia, sentindo-se rejeitado e inferior.

      Mas a criação dos pais não é o único fator determinante na formação do ego, pois conforme vão passando os anos e a criança vai  crescendo e se desenvolvendo ela vai entrando em contato com outras pessoas, familiares, professores, colegas da escola. Todas as relações influenciam na formação do ego, pois ele é acumulativo e é produto de viver com as outras pessoas. 

 

ego (5)

      Porém viver  isolado da sociedade não significa conhecer o seu próprio eu, pois o verdadeiro “eu”, só pode ser reconhecido frente ao falso.  Assim, tudo que existe no universo tem a função de nos fazer descobrir quem realmente somos, como um contraste que se destaca. 

      Com o ego formado a partir das relações sociais que começamos a despertar para quem nós somos. Muita gente vai tentar ver você de outra forma, com a intenção de  manter os valores predominantes na sociedade em que vivemos, para que assim possamos nos tornar uma peça integrante do sistema. Como o mercado de consumo que sempre opera baseado nos valores materiais. Um exemplo é que as pessoas na sociedade são definidas, muitas vezes, por suas profissões, ou pelos cargos que ocupam e não por aquilo que são em sua essência. 

 

ego

Por que a opinião alheia nos afeta?

      O ego está sempre perturbado, sempre a procura de equilíbrio, pois ele não é uma criação totalmente nossa, mas sim com participação da sociedade.  Ele busca nos outros a ideia de quem somos e por isso, a opinião alheia costuma nos afetar tanto. Afinal vivemos em uma sociedade que exige uma série de comportamentos pré-estruturados de nós, como a forma de nos vestirmos, com quem devemos ou não nos relacionarmos, quem devemos amar, qual o caminho devemos dar para nossas vidas. Quem nunca foi cobrado se estava ou não na faculdade, se iria casar ou ter filhos? E muitas vezes por estarmos fora desses padrões nos sentimos menosprezados, inferiores e tristes. Assim, podemos ver que o ego, ao mesmo tempo, é a origem de todos os nossos sofrimentos.

Curso Expansivo Banner 468 x 60

Como equilibrar o ego?

      Não podemos abandonar o ego, mas precisamos nos libertar da influência negativa dele. Uma das formas é a busca do autoconhecimento, a tentativa de nos entendermos, observar nossas atitudes e pensamentos para entender de fato quem somos. O que não quer dizer que isso aconteça de forma totalmente tranquila, às vezes passamos por um período de crise existencial até conseguirmos nos enxergarmos como somos e entender que isso pode ser belo, saudável e grandioso, mesmo que a sociedade diga o contrário. 

 

6

      O ego esconde nossas imperfeições, os sentimentos e os desejos que muitas vezes não são nossos  e assim podemos buscar o equilíbrio e buscar o que de fato queremos e somos. 

       Se você estiver sofrendo, veja qual ideia do ego está conflitante, olhe para seu ego com consciência para tentar entender o que lhe faz mal. Não podemos pensar que as coisas estão nos tornando infelizes ou tirando a nossa paz, mas sim com o que eu estou me tornando infeliz. Neste caminho vamos rumo a conquista da consciência sobre o ego e assim a busca por uma vida melhor. 

 

ego (4)

      Nosso centro verdadeiro é calmo, feliz, alegre e leve e são esses estados que devemos buscar para o nosso ego. Não é um caminho fácil e talvez nunca tenha fim, mas é algo a ser almejado sempre. 

 

Compartilhe!
Busque o equilíbrio do ego e tenha uma vida feliz
Classificado como:                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *